quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Parabéns ACUAXO!



SOLIDARIEDADE E AXÉ

Publicado no Butiá Notícias Edição 632 de 30 e 31 de dezembro de 2010.

“As várias religiões que existem são como galhos, Deus é a árvore”. É desta forma, carregada de ecumenismo e tolerância, que ouvi várias vezes esta afirmação sair da boca de José Honório Dias de Oliveira, o “Pai Honório de Xangô”, enquanto assistia suas conversas com seus filhos ou o entrevistava para meu trabalho de pós-graduação em História Africana e Afro-Brasileira. Não sou praticante de nenhuma religião em particular - apesar de não ser ateu - mas a forma leve e sem proselitismo que as religiões afro-brasileiras lidam com a diversidade religiosa é algo que deve ser respeitado e admirado em um mundo com tantos conflitos em nome da “fé” e de “Deus”.
O que me levou a estudar a história da África e dos afro-brasileiros foi meu desejo de entender um pouco mais nosso povo. Acredito que não há como compreender o Brasil sem levar em consideração os 400 anos de escravidão e sua herança viva na história de nosso país até hoje. Trilhando este caminho fui parar na questão das mentalidades e dela, na cultura e na religiosidade. Compreendendo a fé de um povo, se compreende como ele pensa, vê, traduz e constrói o mundo em que vive. Assim entendemos melhor o porquê dele agir desta ou daquela maneira.

Ao longo deste estudo percebi o quanto as religiões de matriz africana como o Batuque, a Umbanda e a Quimbanda se preocupam com a questão da solidariedade e da caridade, a exemplo de outras tradições religiosas como o Espiritismo, o Catolicismo e os Evangélicos. Desta forma foquei ainda mais o objeto de minha pesquisa, que ainda não acabou, e descobri uma rede social rica em cooperação e espírito coletivo que muitas vezes devido ao preconceito, passa despercebida da maioria da população.
A Associação do Centro Umbandista e Africanista Xangô e Oxum (ACUAXO) presidida atualmente pelo amigo José Carlos Marcolino da Silva, o popular Zé Marcolino, é a entidade que organiza as ações sociais e espirituais do centro religioso de Honório de Xangô. Com mais de 200 famílias carentes cadastradas, somente na Festa de Natal deste ano, ocorrida dia 22, foi feita a entrega de 150 cestas básicas. Para as quase 500 crianças presentes foram distribuídos cachorros quentes, doces e brinquedos. Mas o trabalho social desempenhado pela associação não se restringe aos meses de dezembro. Ao longo de todo ano famílias carentes procuram a entidade na busca de alimentos, remédios e amparo espiritual e psicológico. A carência é de toda ordem e a associação, como tantas outras existentes na cidade, acaba por complementar o papel do poder público.

Escrevo sobre este assunto nesta última coluna de 2010 para que o exemplo dado ano após ano pela família ACUAXO, seu Babalorixá e filhos de santo seja multiplicado por outras entidades e grupos sociais, sejam eles religiosos ou não. Ajudar ao próximo faz bem a alma. Alma que segundo a tradição africanista foi criada por um mesmo Deus, comum a todas as religiões. Deus que muda de nome, de cor, de imagem, de povo e de história, mas que tem na solidariedade uma das suas mais fiéis manifestações. Parabéns a ACUAXO e um 2011 com muito Axé a todos!

Um comentário:

  1. Parabéns pelo texto! abaixo a intolerância religiosa e o fanatismo!

    ResponderExcluir